O que esperar? | Review Rogue One

The force is strong in this one!

Rogue One – Uma história Star Wars foi simplesmente sensacional. Como a frase típica dos Jedi diz, a Força é forte neste filme. Em outras palavras, o filme é surpreendentemente bom.

No geral, quando vimos um filme de Star Wars, sempre esperamos ver Sith Vs Jedi. Esse não foi o caso em Rogue One e mesmo assim, o filme superou todas as expectativas.

Como assim, não tem Sith Vs Jedi?

Exatamente, Rogue One se passa em período histórico onde a maioria dos Jedi foram massacrados pela ordem 66 ou por Darth Vader. Para deixar mais claro, ele ocorre entre o 3º e o 4º filme. Seu final é exatamente o inicio de Star Wars IV – Uma nova esperança. Ou seja, o foco do filme é mostrar como diabos a aliança rebelde possuía os planos da tão terrível Estrela da Morte.

Para aqueles que ainda não viram o filme, a partir desse ponto haverão SPOILERS. Se você já assistu, ou não se importa com eles, continue lendo.

Como toda boa história de Star Wars, sempre temos um trio de protagonistas, constituído normalmente de 2 humanos e 1 robô. De modo que suas personalidades se complementem e eles consigam fazer o impossível.

O novo droid, K-2SO foi um senhor alivio cômico ao filme. É incrível como a Disney esta se profissionalizando em nos fazer nos apaixonar por robôs. Seu mau humor, cinismo e praticidade é muito similar ao droid HK-47, o robô assassino de Darth Revan no antigo Universo Expandido. Ver como ele se relaciona com seu “mestre” e a protogonistas traz boas risadas.

Jyn Erso é a típica guerreira da liberdade que tanto amamos em Star Wars. O filme trabalha muito bem suas motivações, de tal modo que nos identificamos com sua jornada rapidamente. Diferente de Cassian Andor, ela é o ponto de luz do trio. Mesmo sendo do lado da aliança rebelde, Cassian tem como função ser uma espécie de Black Ops, por essa razão, comete diversas atrocidades em nome da Aliança.

Cast principal

Grand Moff Tarkin é um dos personagens que mais chama a atenção em Uma nova esperança e não deixou por menos em Rogue One. Em alguns minutos de tela, ele demonstra a ardilosidade necessária para se ter uma patente como a dele no Império. Porém para conseguir te-lo nesse filme, os produtores tinham um grande problema em mãos. O ator original do personagem, Peter Cushing, morreu em 1994. Portanto, como traze-lo de volta para esse filme?

Com maestria, o estúdio juntamente com a empresa de efeitos especiais Industrial Light & Magic, construíram um CGI de seu rosto encima do rosto do ator que o representou, Guy Henry. Foi tão bem feito, que somente com um olhar crítico nota-se que tem algo de diferente. Essa técnica também foi usada na construção da princesa Leia, interpretada por Ingvild Deila.

É importante ressaltar a presença de Chirrut Îmwe, interpretado por Donnie Yen. Além de é claro, adicionar elementos de luta, já que o ator é um artista marcial, seu personagem tem como foco mostrar a presença da Força. Como dissemos, estamos em um período  que poucos se quer sabem da existência da mesma. Mesmo Chirrut não sendo um Jedi, ele é sensitivo a Força e em diversas cenas, ele mostra como ela está agindo.

Falando na Força, não se pode deixar de citar o Sith mais temido da galáxia, Darth Vader. Em poucas cenas, ele mostra qual o significado da palavra Pavor! Quando ele entra na nave e os rebeldes percebem que é ele, o terror, o medo estampada em suas faces é palpável. Nos filmes antigos, nem sempre tínhamos essa sensação. Muitas vezes, ouvimos que ele era forte e terrível, mas poucas vezes pudemos ver. Em Rogue One, esse poder é mostrado lindamente.

Há muito tempo atrás em uma galaxia muito distante, discutia-se por que diabos alguém iria construir uma arma como a Estrela da Morte e deixar um ponto fraco tão simples, não é mesmo?

Em Rogue One, não descobrimos somente como a aliança rebelde consegue os planos da estrela da morte. Descobrimos também que o pai de Jyn, Galen Erson era o engenheiro responsável pela construção da mesma. Galen não concordando com as intenções do Império tenta se afastar do projeto, mas não é permitido e por consequência, sua mulher é morta. Ele decide então tomar conta do projeto para assim deixar a “falha” propositalmente, de modo que a Aliança tenha alguma chance em destruí-la.

Algo que É Bom Saber, é que o aprendiz de Darth Vader no game, Star Wars The Force Unleashed, também se chamava Galen. OK, mas por que isso é relevante?

Galen Marek, também era conhecido como Starkiller, ou Destruidor de Estrelas. Coincidência? Acho que não.

Uma outra curiosidade interessante é quando Jyn, esta navegando pelos arquivos do Império e é mencionado um Sabre negro. Esse sabre aparece primeira vez na animação Star Wars – The Clone Wars, nas mãos de ninguém menos que Darth Maul.

Sabre Negro

Finalizando, Rogue One – Uma história Star Wars é um excelente filme. Complementa a trilogia clássica com maestria e respeito. Traz um formato de filme ainda não explorado para a franquia, que esperamos que tenha vindo para ficar.

O que acharam? Faltou alguma informação aqui?

Quem ainda não viu o filme, ficou curioso?

Para os que viram, qual foi sua cena favorita?

Total Views: 1527 ,
Não deixe de nos seguir e curtir!
0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *